Sobre nós:

Foto sobre nós

Somos apaixonados pela transformação social, acreditamos no poder da educação e lutamos para promover uma distribuição mais justa de materiais escolares, onde a educação atua a ferramenta mais eficaz para transformar vidas.

Ainda que possa parecer uma realidade distante, milhares de jovens vão à escola sem ter os itens básicos para o estudo: caderno, lápis, mochila, … Por outro lado, basta estar próximo ao dia a dia das salas de aula para perceber o desperdício de materiais escolares. Se um caderno deixa de ser usado ao final do ano letivo, mesmo com folhas em branco disponíveis, por que não doá-las a quem mais precisa?

Essa é uma das principais inquietações que levaram à fundação da Passarte, que mantém seu propósito de diminuir a distância entre realidades que se cruzam. Proporcionar o acesso aos materiais escolares básicos é uma missão que ultrapassa as barreiras da escola: é capaz de gerar mais conforto e mais prazer no momento de dedicar-se aos estudos. Mais do que oferecer objetos, nossa intenção é colorir e transformar a vida de crianças e adolescentes ao longo da trajetória escolar.

O projeto que surgiu em uma escola na cidade de Caxias do Sul, hoje é reconhecida como a única associação sem fins lucrativos no Estado do Rio Grande do Sul com autorização para recolher materiais didáticos com prazo de aplicação expirado. Sustentado a partir da doação e reciclagem de livros didáticos e literatura em geral, cadernos, canetas, mochilas e diversos outros itens, a Passarte arrecada, reforma e distribui os materiais com base nas necessidades reais dos alunos da rede pública.

Se você representa uma instituição pública ou privada, entre em contato conosco para ser um anfitrião das oficinas!
Se possui doações, você pode entregar em um de nossos pontos de coleta.

Nossa História

Adotar o consumo consciente abre os olhos para o desperdício de recursos que poderia ser evitado a partir de medidas simples no cotidiano.

As lixeiras cheias de papel amassado poderiam passar despercebido, mas incomodava cada vez mais um dos alunos da 7º ano. Ao verificar o que continham nos papéis, a descoberta de que a maioria continha apenas algumas palavras e a maior parte do papel estava em branco. Logo, ao passar no final de outras aulas, houve a comprovação de que o padrão se repetia. Para tornar isso nítido, surgiu a ideia de reunir e expor, dentro de uma caixa transparente, todo esse papel que poderia ter sido melhor aproveitado logo na entrada da escola.

Ao chegar ao final do ensino fundamental, já no 9º ano, era preciso organizar a tão esperada formatura. Porém, a escola não possuía um palco. Surgiu, então, a ideia de construir um palco feito apenas com garrafas pet. A campanha foi difundida pela comunidade, que abraçou a causa e colaborou. A estrutura permanece na escola até hoje na Escola Municipal Mansueto Serafini, no bairro Pôr do Sol, em Caxias do Sul - RS!

Ao longo de cinco anos com muitos desafios, a contribuição de pessoas apaixonadas pela transformação social fez a diferença nos rumos desta história. A mentora, Vanessa Kukul, ajudou este movimento no processo de estruturação como negócio, o que se refletiu na identidade do Passarte. A equipe da empresa social 1% provocou os incomodados a mudarem o mundo e ofereceu o suporte para impactar mais de 30 escolas na cidade. O amigo e sócio Matheus Oliveira ajudou a transformar uma ideia em realidade e seu apoio rende frutos até hoje.

No dia 17 de maio de 2017, o Projeto Passarte passou a ser a ONG Passarte, associação privada sem fins lucrativos. Em 2018, parceria com a Fundação Marcopolo, auxiliou na criação do Recicla - Oficina de Reciclagem do Projeto Escolas da Fundação, inspirada no trabalho desenvolvido da ONG.

O ano de 2019 já inicia podendo contar com o apoio do Google, por meio do Google for Nonprofits, entre os apoiadores! Já nos primeiros dias de parceria, o Passarte ultrapassou as fronteiras do Estado e desembarcou em Minas Gerais, conquistando um anfitrião na cidade de Catuji.